Professora que acusou Bolsonaro de ser mandante do assassinato de Marielle é demitida

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Uma professora da rede de ensino particular na cidade de Rio do Sul, em Santa Catarina, em uma aula online, acusou o Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, de ter “armado” o assassinato de Marielle Franco no ano de 2018.

A docente proferiu as palavras logo após a pergunte de um aluno que abordava o tema “violência política”. O aluno perguntou a professora se o episódio em que Bolsonaro recebeu a facada se encaixava no tema discutido.

Então a resposta da professora foi a seguinte: ““A violência política é praticada por políticos. Bolsonaro levou uma facada? Levou. Foi uma violência? Foi. Mas não foi praticada por políticos, foi um popular que fez, foi um civil que fez isso. Agora, o que o Bolsonaro armou para matar Marielle Franco, ele, sendo um político, matando uma outra política, isso sim é uma violência política. Entendeu o esquema?”.”

Logo após a grave acusação da professora, suas palavras “correram” as redes sociais e geraram burburinhos de ambos os lados, tanto de defesa à fala da professora, quanto a condenando pelo mesmo.

A professora foi então acusada por seus alunos de fazer proselitismo político e ideológico, ao acusar Bolsonaro de mandante da morte de Marielle.

A direção da escola informou por meio de uma nota aos pais, alunos e colaboradores o desligamento da professora que lecionava a disciplina de Redação.

O desligamento ocorreu com base em decisão fundamentada, com apoio da equipe jurídica e técnica.