DNIT afirma que até 2022 a duplicação da BR-470 em Navegantes será entregue

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Nesta segunda-feira (15), a Associação Empresarial de Blumenau recebeu o superintendente do DNIT, Ronaldo Carioni, na reunião semanal de Diretoria. Na pauta, foram apresentadas informações sobre as obras de duplicação da BR-470 bem como os recursos para finalização da mesma.  “Ao longo dos anos, estamos observando as dificuldades que o Brasil está enfrentando no que se relaciona aos recursos financeiros, mas estamos fazendo os investimentos com consciência”, informou Carioni.

Sobre o andamento da obra da duplicação da BR-470, explicou detalhes de cada lote.  “O Lote 1, que vai de Navegantes até Luís Alves, podemos afirmar que já foram entregues 5 quilômetros. Buscamos retomar as obras em abril. Estamos trabalhando para entregar esse lote, no máximo, até início de 2022”.

Já o lote 2, que vai de Luís Alves até Ilhota/Gaspar, afirmou que 83% das obras forram executadas e entregues, sendo 17,5 quilômetros de duplicação. “O nosso intuito é entregar todo esse lote até final de 2021, porém, para isso acontecer, precisamos da aprovação do orçamento da União”, ressaltou Carioni. 

O superintendente do DNIT ainda informou que os lotes 3 e 4 são os mais dificultosos, pois dependem de recursos maiores. “Esses lotes estão mais lentos por falta de recurso, mas o nosso intuito é sempre avançar na duplicação”. 

Questionado sobre os recursos, Carioni informou que a bancada nacional está para aprovar recursos de R$ 50 milhões, R$400 milhões estão em aprovação com a União e também tem sinalizado R$ 200 milhões do Governo do Estado. “Mas, reforço, todos eles ainda estão em aprovação. Se tudo andar como o desejado e se todos os recursos entrarem, o intuito é entregar toda da duplicação da BR-470 no final de 2022”, afirmou. 

Carioni ainda informou que para finalizar toda a duplicação da BR-470 é preciso um total de R$735 milhões, sendo R$600 milhões destinados a obras e R$135 milhões para desapropriações. 

Fonte: Acib