Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Verão mal iniciou em Navegantes e moradores já estão sem água

Moradores do bairro Gravatá já estão sem água em suas torneiras. De acordo com relatos para a redação do portal Abre Olho Notícias, o desabastecimento de água iniciou logo pela manhã desta terça-feira (24). Segundo os comerciantes, o movimento de pessoas caiu aproximadamente 50% na cidade, mas nem mesmo isso está evitando a falta de água.

Arlindo Souza é o ex-motorista do prefeito e especialista em culinária, cujo curriculum vitae deve ter encantado o prefeito, nomeando-o como o novo responsável da pasta de Saneamento Básico de Navegantes (SESAN), Arlindo também comanda a secretária de obras da cidade., talvez por ter 2 especializações (motorista e cozinheiro).

Entre os anos de 2018 e início de 2019, moradores de Navegantes passaram 26 dias sem nenhuma gota de água em suas torneiras, a situação ficou insustentável. A prefeitura como forma de tentar fugir de sua responsabilidade emitiu uma Fake News colocando a culpa no SEMASA (Serviço Municipal de Água, Saneamento Básico e Infraestrutura de Itajaí), a autarquia reagiu provando que não tinha reduzido a entrega de água, sendo assim desmentindo a prefeitura municipal e comprovando que sua culpa decorreu da falta de armazenamento no lado de Navegantes.

Em março de 2019 a prefeitura prometeu a construção de um novo reservatório de água com a capacidade de 3 milhões de litro de água, que seria instalado no bairro São Domingos, porém, a promessa não saiu do papel.

OPERAÇÃO FALTA D´’ÁGUA EM NAVEGANTES

Em junho deste ano, a 4ª promotoria do Ministério Público de Navegantes (DR. MARCIO GAI) desencadeou uma operação que contou com o apoio do Grupo de Atuações Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO). As investigações apuram eventuais crimes de corrupção passiva e ativa, organização criminosa e lavagem de dinheiro praticados por agentes públicos e empresários ligados à Secretaria de Saneamento de Navegantes (SESAN). Ex-vereador Valmir Cesar Francisco vulgo “Chero”, secretário e cargos comissionados foram presos nesta mesma operação e obrigados ao uso de tornozeleiras eletrônicas para seu monitoramento.