Promotor faz operação para colocar ordem no ponto de taxi do aeroporto de Navegantes

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

No final da tarde de quarta-feira (10), os taxistas foram surpreendidos com a fiscalização do promotor de Justiça Marcio Gai Veiga. Uma denúncia no (MPSC) dá conta de que os taxistas do aeroporto de Navegantes estavam operando no local sem a licença de exploração atualizada. O estranho dessa situação, é que para poder realizar o transporte de passageiros, eles são obrigados a ter o alvará e a vistoria em dia, para aí sim receber a licença de exploração, mas segundo as informações recebidas pela nossa equipe, o documento não está atualizado desde 2002.

Baseado nessa denúncia, o promotor na tarde de quarta-feira solicitou que quem estivesse sem esse documento se retirasse do local, os 31 automóveis que fazem o transporte de passageiros no aeroporto tiveram que parar de trabalhar e desocupar o local, pois nenhum dos taxistas estavam com o documento obrigatório.

Navetran

Imediatamente os taxistas se deslocaram para o setor responsável para reclamar com o secretário Johnny Eurico Coelho, que teve que providenciar as documentações para os taxistas, no desespero apareceu até a chefe de gabinete do prefeito Emílio, Solange Sutil no local.

Johnny Eurico Coelho está no comando da pasta e tinha ciência da documentação mas fazia vista grossa, ao mesmo tempo cobrava que os motoristas por aplicativo se regularizassem, situação que ficou bem desagradável.

Privilegiados

O promotor também flagrou nove taxistas que trabalham dentro do aeroporto e escolhem as corridas que irão fazer, só pegam aquelas que vão pra fora do município, prática essa regulamentada pelo decreto 620/2002, que é completamente imoral, e que nunca foi revista mantendo os privilégios há um pequeno grupo de taxistas.

Cadê a fiscalização

Cabe a Navetran realizar o trabalho de fiscalização, mas o secretário pelo que parece não realiza o seu trabalho, pois em uma tarde o promotor obrigou o órgão responsável a fazer o que não fez em 10 anos.