Marinha garante que irá reverter o bloqueio do recurso para construções das corvetas em Itajaí

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Em uma reunião nesta quinta-feira (16), na federação das indústrias de Santa Catarina (Fiesc), em Florianópolis, o diretor de gestão de programas da Marinha do Brasil, almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, confirmou o bloqueio dos recursos destinados para construção das corvetas em Itajaí.

O almirante garantiu que não foi um corte, mas sim um contingenciamento. Ele salientou que essa situação será revertida, Petronio afirma “não tem volta, o valor destinado para as novas construções das corvetas em Itajaí é necessário, a Marinha do Brasil precisa renovar sua frota” declarou.

O valor orçado para construções das corvetas é R$ 2,5 bilhões, o almirante acredita que no segundo semestre desse ano ainda a situação seja revertida, apesar da notícia do contingenciamento, o prazo para assinatura dos contratos continua sendo até dezembro deste ano, como estava previsto quando foi anunciado o consórcio como vencedor da concorrência pública, em abril.

A previsão é que a construção dos navios inicie no ano que vem, com a primeira entrega em 2024. As corvetas, classe Tamandaré, terão como projeto base a corveta alemã Meko A100, adaptada às necessidades da Marinha do Brasil. Os navios terão 107 metros de comprimento, e velocidade de 14 nós. Estimasse que sejam gerados 2 mil empregos diretos e 6 mil empregos indiretos.