É legal, mas completamente imoral prefeito favorecer sobrinha

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

No dia 30 de julho, o prefeito Emilio Vieira assinou um decreto com diversas normas e regras cujo o objetivo era contenção de despesas no município, entre as ações tomadas, a suspensão de concessão da licença prêmio, vários funcionários foram até a prefeitura e fizeram requerimento pedindo este direito do servidor público, e todos eles [sem exceção] tiveram o direito negado.

No mês de maio, após o aumento de arrecadação do município, tendo conseguido sair do limite prudencial exigido pela lei, o referido decreto foi revogado, agora mediante autorização do prefeito, os funcionários que ele autorizar pode tirar a sua licença prêmio.
O fato que chama atenção, é que, a servidora Graziela Cristiane Corrêa ex-secretária da educação e SOBRINHA DO PREFEITO, que está sendo processada por indícios de corrupção, motivo pelo qual o promotor de justiça pediu o seu afastamento, e ela foi obrigada a ficar afastada do cargo de secretária, mas não do salário de 10 mil reais mensais e quando finalmente foi exonerada, sendo professora efetiva, pegou férias e agora emplacou uma licença prêmio de três meses.

O prefeito Emílio Vieira tem por hábito favorecer seus chegados e parentes, fala-se de um funcionário que se divorciou pelo fato de ter sido flagrado traindo a esposa e hoje faz parte do primeiro escalão, o mesmo ainda tem por interesse de ser candidato a vereador com total apoio de Emílio Vieira, talvez Emílio, tenha alguma culpa no cartório, outra protegida é a Graziela, que além do flagrante caso de nepotismo, permaneceu recebendo, tirou férias e agora fura uma fila gigantesca de funcionários que aguardam o direito de gozar sua licença prêmio.

Com isso, o prefeito literalmente mostra que favorece os seu chegados e parentes, maior prova do fato, é que tem secretário que emplacou o carro da prefeitura com seu número de campanha, um crime inegável, mas acobertado pelo prefeito.

Os funcionários públicos se sentem traídos pois o seu direito foi negligenciado pela “furada” de fila autorizada pelo prefeito em benefício da sua sobrinha.