Doença Mão-Pé-Boca é encontrada em outras escolas e creches de Navegantes

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

A informação repassada pelo portal sobre o surto da doença mão-pé-boca não é um caso isolado apenas na creche Juliete Pereira Muller, em outras escolas e creches da cidade, novos casos da doença foram identificados.

Na creche Juliete Pereira, localizada no centro da cidade, em torno de 29 crianças foram infectadas, de acordo com a denúncia feita pelo pai ao portal. Após a matéria ter sido divulgada, a secretaria irá realizar a higienização da creche neste sábado (18).

Em contato com a secretaria da educação, eles informaram que as medidas necessárias já estão sendo tomadas, a vigilância sanitária está indo no local orientar os pais e professores sobre o que deve ser feito. Os bebês que foram diagnosticados com a doença estão sendo afastados para que possam ser tratados.

O QUE É A DOENÇA MÃO-PÉ-BOCA?

O primeiro relato da doença mão-pé-boca foi realizado em 1958, onde foi observado em mais de 60 pessoas que apresentaram febre associada a lesões na boca em Toronto no Canadá.

Está doença ocorre com mais frequência em pré-escolares, embora adultos e crianças de qualquer idade também possam contraí-la.

É uma infecção enteroviral (vírus presente no intestino) contagiosa, causada pelo vírus Coxsackie, pertencente à família dos enterovírus, que habitam normalmente o nosso sistema digestivo.

Esse tipo de vírus também pode causar as estomatites (aftas que aparecem na mucosa oral).

SINAIS E SINTOMAS DA DOENÇA PÉ-MÃO-BOCA:

O período de incubação do vírus é de aproximadamente 7 dias.

A princípio os sintomas são semelhantes aos de uma gripe, com coriza (nariz escorrendo), dor de garganta, falta de apetite, mal-estar e febre, podendo inicialmente ser confundida com um resfriado comum.

Sinais e sintomas que caracterizam a doença:

  • Febre (38º – 39º  ºC) – mas alguns casos podem ocorrer sem febre.
  • Mal-estar.
  • Falta de apetite.
  • Cefaleia (dor de cabeça).
  • Vômito.
  • Diarreia.
  • Gânglios aumentados no pescoço.
  • Desidratação (boca seca e diminuição no volume de urina, para bebês menos de 6 trocas de fralda por dia, menos lagrimas ao chorar).
  • Pequenas úlceras dolorosas dentro da boca, na língua, na parte interna das bochechas e gengivas (duram de 4 a 6 dias), semelhantes a aftas, o que pode causar inapetência (falta de apetite) e dor ao engolir.
  • Obs.: nos casos em que as lesões na boca se tornam muito dolorosas, dificultando a ingestão de alimentos e líquidos, a criança corre risco de desidratação, neste caso poderá ser necessária a administração de líquidos no hospital pela via endovenosa (na veia), e medicamentos para alívio da dor na região oral.
  • Surgem erupções de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que podem ocorrer também nas nádegas e na região genital, eventualmente podem coçar (duram de 7 a 10 dias).
  • As bolhas podem surgir também nos joelhos e cotovelos.
  • Essas erupções tendem a regredir com a regressão da febre (entre 5 e 7 dias aproximadamente), mas as bolhas na região da boca podem permanecer até 4 semanas.
Manifestação cutânea da doença mão-pé-boca na mão.
Manifestação cutânea nas mãos e pés e na região da boca.
Manifestação cutânea da doença mão-pé-boca no rosto.

TRATAMENTO DA DOENÇA PÉ MÃO BOCA:

O quadro clínico é autolimitado e melhora espontaneamente com as defesas do organismo, e o tratamento será direcionado para amenizar os sintomas, com o auxílio de antitérmicos, medicamentos para coceira e analgésicos prescritos pelo médico.

Também é recomendado para o tratamento:

  • Repouso
  • Alimentação leve
  • Aumento da ingestão de líquidos
  • Em casos onde as lesões na boca impedirem a alimentação/ingestão de líquidos, pode ser necessária a administração de soro no hospital.

Nesses casos o caminho mais comum de evitar a proliferação ou contágio, é sempre manter as mão limpas, unhas curtas, evitar o compartilhamento de brinquedos e higienizar os ambientes de forma adequada.