Com a presença da Polícia Militar, o projeto de 19 milhões foi aprovado

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

A sessão de quinta-feira (18) da Câmara Municipal de Navegantes foi extremamente tensa, isso porque estava em pauta o projeto que daria aval ao prefeito Emílio Vieira de realizar um empréstimo de 19 milhões de reais.

Projeto esse que contemplará as ruas João Gazaniga, Orlando Ferreira, José Francisco Laurindo e a Rua Itajaí, unindo desde o Bairro Machados até a divisa com o Centro. O projeto está cheio de lacunas, isso porque não fala com detalhes como ele irá iniciar, se as tubulações de água serão trocadas, ou se isto ficará para o futuro, entre outras coisas.

Os vereadores contrários relataram que mesmo sendo uma obra importante, ela não é a prioridade no momento, lembrando, por exemplo, o caos da saúde e a necessidade de finalização das obras do hospital, o que seria possível ser feito com aproximadamente três milhões de reais.

Outros argumentos utilizados pelos vereadores foi a forma que as obras serão feitas, pois em nenhum momento foi relatado no projeto se serão trocadas as tubulações velhas de água, e ainda frisaram que o valor do empréstimo representa apenas 15% do orçamento do município, que hoje passa dos R$ 318.000.000,00 anual (trezentos e dezoito milhões de reais). O vereador Liço ressaltou que “se realizassem uma reforma administrativa e cortassem gastos, não seria necessário realizar esse empréstimo”.

Quero ver

Dos questionamentos que ficaram sem resposta, um dos que causa maior preocupação, é a forma com que as obras serão operacionalizadas, pois no momento a BR 470 já é um dos maiores problemas de trânsito da cidade e com a necessidade de “bloquear-se” o trânsito nas ruas que teoricamente serão contempladas com o empréstimo, todo o trânsito interno dos bairros, durante as obras, serão “transferidos” para ela, o que certamente estabelecerá o verdadeiro caos na BR 470 que já é caótica.

Os vereadores contra o projeto acusaram ainda o executivo de estar faltando com a verdade, pois os integrantes do governo Emílio tem afirmado que as obras “não terão nenhum custo a população”, o que todos sabem ser uma falácia, pois não verdade serão efetuadas via um empréstimo com juros de 5% ao mês, que terá que ser pago por toda a comunidade navegantina após findar a carência de 24 meses, ou seja, o próximo governo terá que “descascar o abacaxi” do pagamento, nem que para isto tenha que aumentar impostos.

Os vereadores favoráveis pouco falaram, sendo que o destaque das falas foi o pronunciamento dos vereadores do MDB, Cirininho e Monan que, de forma exaltadas, atacaram o ex-prefeito Roberto Carlos de Souza, afirmando que ele vem trabalhando contra o projeto e que por isso votariam a favor do empréstimo.

Esquentou

Como já era de se esperar, o prefeito mais uma vez solicitou (determinou) que os cargos comissionados fossem para Câmara , e os servidores atenderam o chamado. Secretário de obras, da saúde, da segurança, da agricultura e pesca, a chefe de gabinete, entre outros, estavam lá para apoiar aqueles que iriam votar favorável ao empréstimo. Do outro lado, tinham pessoas da comunidade que mostravam-se contrárias que a Câmara desse o aval ao prefeito para realizar o empréstimo, estes por sua vez, pediam a realização de uma audiência pública para que a população pudesse debater e avaliar melhor o projeto.

Chamou a polícia

O presidente da Câmara chamou a PM e ainda deu voz de prisão a um morador, situação que agravou ainda mais o clima. A polícia veio até a Câmara, mas ninguém foi detido.

Aprovado

Como já divulgado pelo portal, o projeto que permitirá o poder público de realizar um empréstimo de 19.000.000,00 (dezenove milhões de reais) foi aprovado, e foi o voto do vereador do MDB Jassanan Monam Ramos quem decidiu o resultado.

Logo após aprovação, os comissionados festejaram, sendo que a chefe de gabinete Solange Sultil ria e debochava de quem era contrário. Outro que também debochou dos populares presentes foi Glaydson Henrique Cassiano (Vulgo Cassiano Celular), que gritava debochando de todos, dizendo: “perdeu, aceita”.

Veja como cada vereador votou:

Favoráveis

Cirino Adolfo Cabral Neto (MDB)
Jassanan Monam Ramos (MDB)
Samuel Paganelli (PSDB)
Zé do Bairro São Paulo (PSD)
Badeco (PSDB

Contrários

Liço Ricobom (PSD)
Jefferson Macarine (PSDB)
Paulinho Melzi (PSD)
Murilo Cordeiro (PT)