Chefe de gabinete do prefeito Emílio tem seu sobrinho na empreiteira investigada pelo Gaeco

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

A operação do Gaeco deflagrada na última sexta-feira (01), mostrou o mecanismo criado de desvio de verba pública na secretária de obras. De acordo com as informações recebidas, uma organização criminosa movimentou entre 2014 e 2020 mais de R$ 16 milhões.

Entre as empresas investigadas pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), está empreiteira Beija Flor, que realiza as manutenções das vias pública da cidade.

No quadro de funcionários da empreiteira está o sobrinho da chefe de gabinete do prefeito Emílio Vieira, Diogo Silva, que antes de ser contrato pela empreiteira, esteve em um cargo de assessor na Câmara de Vereadores de Navegantes, que após a denúncia do jornalista Julio Bento sobre os casos de nepotismos descobertos na cidade, o promotor recomendou o prefeito Emílio e o presidente da Câmara em 2018, Alício Jacob Ricobom, vulgo Liço, a demissão dos cargos de nepotismos.

De lá pra cá, Solange Sutil teria usado da sua influência para arrumar uma vaga emprego para seu sobrinho a qualquer custo, inicialmente ele iria trabalhar para empresa que realiza as manutenções das câmeras na cidade, afirmação essa vazada pelo próprio secretário de Turismo Glaydson Henrique Cassiano.

Sem sucesso, Diego posteriormente apareceu contratado pela empreiteira Beija Flor, a mesma empresa que hoje é investigada por fraudes em licitação. Denúncias no MPSC foram feitas e o caso está sobre investigação. Apesar de não ser ilegal, tal pratica é imoral pois acaba tendo conflitos de interesses por se tratar de um parente ligado a chefe de gabinete do prefeito em exercício em uma empresa que presta serviços públicos no município.

Em busca de uma resposta de Solange Sutil, ela preferiu não comentar sobre o assunto. Diego não foi localizado pela nossa equipe para comentar sobre o assunto.